domingo, 21 de julho de 2019

Animal Racional


 Aliens, invasores da área 51, robôs, e quem mais tem paciência de me ler, primeiramente muito obrigada por acompanharem este blog por onde vos falo. Venho avisar que o post de hoje é um pouco complexo, não por ser um tema difícil, mas porque ele vai ser na verdade sem um tema fechadinho,  um conjunto de reflexões que ando fazendo...
 Pode parecer estranho, mas uma parada pela qual me interessava muito quando era mais nova eram estudos. É sério, sabe aquela curiosidade louca que dá quando você vê uma chamada em um site "Esse Fenômeno Acontece Todos os Dias e Você Nem VÊ". Pois é, dá para sentir a mesma coisa numa fonte confiável que a gente recebe da escola ou dos nossos pais, chamada livro escolar. Eu sempre ameii ler, mas enquanto ninguém tinha dinheiro para comprar um gibi ou revista novo para mim (livro só duas vezes ao ano porque sempre foi mais caro, e já  tinham muitos herdados em casa) algumas vezes, quando estava fora de casa, e não tinha muito para fazer, eu pegava o livro escolar para me distrair, e acabava me amarrando nas coisas interessantes que descobria (e mandando bem na prova, cof, cof, desculpe modéstia).
 Bem, somando o fato que já mencionei aqui nos posts iniciais sobre ser introspectiva, posso dizer que passei boa parte da vida agindo de maneira mais racional do que emocional. Não significa que eu não tenho sentimentos, ok? Eu só não sou boa em me expressar de maneiras normais, e por isso fico aqui escrevendo . 😆
 Tá, mas e onde entra a reflexão nessa história? Pois é, aos poucos, o acúmulo de conhecimento sem motivo pode levar a gente a conhecer muitas coisas desagradáveis. É bom sair de uma ilusão, povo; é legal descobrir que o mundo é muito mais complexo do que parece; é maneiro começar a pesquisar maneiras de mudar as coisas. Não desistam de fazer algo para tentar melhorar a vida, sua e/ou de alguém, nunca. O problema é que mais aos poucos ainda, fazendo muito a trouxa na vida, fui descobrindo que algumas coisas simplesmente são muito mais difíceis de resolver do que parece. E pior: muitas coisas têm sim uma solução, mas ninguém quer fazer alguma coisa. Quando isso acontece é muito frustrante porque não dá também para forçar alguém a fazer algo que não quer. Vai ficar mal feito, vai ter gente te odiando, raiva, não tem jeito.
 Então vou deixar a pergunta aberta, para quem quiser fazer um debate saudável aqui nos comentários: Tem coisas que valem a pena a gente não saber?

3 comentários:

  1. Vejo o conhecimento como uma faca de dois gumes. Por um lado você pode crescer como pessoa, como individuo, mas em um mundo como esse, saber demais pode te fazer pensar e agir de forma diferente, procurar por coisas que nem todos procurariam e com isso se sentir deslocada. Eu passo por isso as vezes, mas agradeço por ter achado meu lugar.

    Outro problema por saber demais é esse que você citou, saber que nada é tão simples, que são complicadas, tensas e até tóxicas dependendo do contexto e dos envolvidos. Embora isso também de dê mais percepção de como manter o controle ou conseguir uma solução.

    Outro ainda diz respeito ao Ego, existe um personagem que gosto bastante e ele certa vez disse que: Ser excelente não é tudo isso... ser forte significa que você se tornará arrogante e egoista, mesmo que você nunca tivesse desejado isso.

    O ego é algo perigoso, que eu particularmente tento manter meio por baixo, porque sei que pode acabar afetando de forma negativa a minha família, colega e amigos. No mais, eu adorei o poste.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir