quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

Retrospectiva


 Duendes, millenials e sobreviventes que me leem, 2020 finalmente está acabando! Esse deveria ser o momento em que a gente revê  nossas atitudes ao longo do ano para perceber onde erramos e onde acertamos, porém, como vinte-vinte foi totalmente atípico (praticamente cancelado antes mesmo de começar direito) ,  o que sobra é uma retrospectiva da vida antes da pandemia. 
É complicado fazer isso, porque a vida é feita de fases e nunca existiu um modo único de se viver. A vida é tão plural e diversa que fora do período delimitado de um ano, é muito difícil achar um denominador comum entre tudo que já aconteceu desde um nascimento, principalmente quando se é adulto, rs.
 Ao mesmo tempo, às vezes parece que não aconteceu nada. Se pensarmos onde poderíamos estar, tudo que a gente queria que tivesse acontecido, podemos até cair no engano de pensar que "não vivi, só existi". Essa afirmativa é bastante problemática, e não é pelo motivo que você deve estar pensando. Primeiramente, se você não estivesse vivo, como leria esse blog?  Pedras só existem, e garanto, pedras não navegam na internet, nem foram alfabetizadas. Confundem muito "viver" com estar sempre fazendo alguma coisa e ser feliz o tempo inteiro, quase a qualquer custo. Deixa eu te contar uma coisa: acúmulo de atividade causa estresse, e estresse mata mais cedo. Outra: a vida real não é e nunca vai ser um conto de fadas. Nem mesmo os protagonistas dessas belas histórias infantis tinham a vida livre de problemas. A vida tampouco tem um final feliz: ela termina na morte. Não digo isso para que ninguém desista de percorrer seus sonhos, ou aceite resignado os problemas que tem, muito menos vire alguma espécie de masoquista ou gente com estocolmo. Digo isso justamente para que perceba que a sua vida não é um erro, e nem é a pessoa que mais sofre no mundo. Nenhum ser-vivo nesse planeta está apenas existindo. Até mesmo em 2020, vivemos.
Não escrevo essas coisas porque sou um ser muito superior, que já aprendeu essas coisas e tá passando um tipo de lição. Escrevo para que eu mesma me lembre disso. Falando em lembrar, acabei sem fazer uma retrospectiva, basicamente só disse que não consegui fazê-la. Muitos podem pensar que eu falei, falei e não disse nada. Não deixa de ser verdade. Mas nesse "grande nada" que disse, acabei expressando mais do que se tivesse simplesmente feito uma lista de fatos.

3 comentários:

  1. Boa noite. Eu tenho muita satisfação em acompanhar esse blog.

    Esse ano foi complicado e há muita coisa que me deixa na ponta da cadeira, há muito para se pensar e lembrar e creio que será uma cicatriz para toda a humanidade carregar. Ao mesmo tempo, para mim foi um ano de conquistas e derrotas, evolução e revelação.

    Não posso dizer que tudo são flores, mas nem todas as minhas lágrimas são para o mal. Mas não percebi isso claramente, e me senti nisso que você descreveu de só existir, porém vejo agora que embora vários dos meus sonhos e desejos não tenham se realizado, se me for permitido, tenho muito tempo para apreender muita coisa ainda e isso me mantém rodando, fora minha familia e amigos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário!Com certeza a humanidade ficará marcada por 2020. Mas a gente sempre pode tentar tirar algo positivo das coisas, ainda que dê muitíssimo trabalho, rs. Gostei de saber que você chora. A sensibilidade para chorar é a mesma que abre as inspirações de grandes artistas. Sensibilidade é algo delicado mas que nunca deve ser perdido. E claro, família e amigos que te apoiam sempre é fundamental ^^

      Excluir
  2. Sim e eu concordo contigo ^^

    ResponderExcluir